2006-07-26

Os olhos são como as mão!


Os olhos são como as mãos

Os olhos, quando lêem, são como as mãos que amam. Soletram sentidos, afagam letras, acarinham ideias acetinadas. Os olhos, quando lêem, trespassam volúpias, modelam desejos e quereres íntimos. Os Olhos São Como As Mãos, Quando lêem, amam. E decifram Os nossos corpos imaginados…Como fotografias, Em sonhos emoldurados…
Venteira e Amadora, 29 de Junho de 2006João Castela Cravo

Com o apoio do GDF – GRUPO DE DINAMIZAÇÃO DA FOTOGRAFIA

2006-07-21

Corpo


Corpo
que te seja leve o peso das estrelas e de tua boca irrompa a inocência nua dum lírio cujo caule se estende e ramifica para lá dos alicerces da casa.
abre a janela debruça-te deixa que o mar inunde os órgãos do corpo espalha lume na ponta dos dedos e toca ao de leve aquilo que deve ser preservado
mas olho para as mãos e leio o que o vento norte escreveu sobre as dunas
levanto-me do fundo de ti humilde lama e num soluço da respiração sei que estou vivo sou o centro sísmico do mundo


Al Berto(Portugal, 1948-1997)
In “A Noite Progride Puxada à Sirga”: Réstia de Sangue, 1985

2006-07-13

Exposição Fotográfica


Inauguração da Exposição no dia 17 de Julho de 2006 pelas 20 horas e 30 minutos, fica aqui o convite.